Fichas técnicas de moda: como evitar os 5 erros mais comuns




Ainda que não exista um modelo definitivo do que é certo e o que é errado numa ficha técnica de produtos de moda, o objetivo da comunicação e informação precisa não pode ser perdido de vista. Assim explica a especialista no assunto, Luciana Gragnato, que aponta que os cinco erros mais comuns costumam aparecer na diagramação ou leiaute e, também, no conteúdo.


Para Luciana, esses erros mais comuns acontecem "primeiramente, porque os profissionais responsáveis pela execução das fichas, às vezes não entendem de modo preciso qual a função da ficha dentro de uma empresa". Esses erros costumam aparecer quando a ficha é vista como um documento passivo, isto é, como se fosse apenas um identificador do produto quando, na verdade, é mais que isso: a ficha pode ser a alma de um negócio bem sucedido em termos de produção, evitando erros e aumentando a eficiência e a produtividade de todos os envolvidos.


Quais são os cinco erros mais comuns?


1. Número par de páginas


É muito comum que a ficha técnica seja impressa e manuseada em papel. Isso acontece dentro do ambiente da empresa, passando por vários departamentos, incluindo o de criação e desenvolvimento, o financeiro e a diretoria. Também é muito utilizada impressa no ambiente externo à empresa, ou seja, nos parceiros terceirizados, como oficinas de costura e beneficiamentos, como também nos pontos de venda para treinamentos de vendedores, por exemplo. Por isso, otimizar a informação e diagramar a ficha com números pares de páginas utilizando a impressão frente e verso do papel, evita que parte da ficha se perca e que as pessoas envolvidas tenham mais atenção ao seu conteúdo, não se dispersando por muitas páginas até encontrar a informação importante.


2. Identificação dos elementos decorativos como estampas e bordados


Quando o produto possui estampas corridas ou localizadas ou apresenta áreas com bordados manuais ou industrializados, é muito comum a falta de informações mais especificas sobre esses elementos. Na maioria das fichas técnicas, esses elementos aparecem apenas no desenho técnico e, algumas vezes, são acompanhados apenas de indicação de cor. Porém, são necessárias muitas outras informações, como fornecedores, custos, variantes de cor, altura e largura entre outras, que além de fazer o registro técnico total do elemento. Essas informações colaboram para os cálculos de custos e preços finais do produto e, também, para outros aspectos ligados à gestão do produto e da produção.


3. Desenho técnico

O desenho técnico é fundamental tanto na identificação do produto no contexto da coleção, quanto no registro das especificidades de modelagem e costura. Desse modo, é imprescindível que o espaço reservado para esses desenhos seja grande, suficiente para acomodar várias vistas do produto, além das obrigatórias frente e costas, inclusive alguns detalhes mais importantes. Normalmente, o espaço destinado ao desenho técnico é insuficiente porque, normalmente, a ficha não está bem diagramada e os espaços mal distribuídos.

Outro equívoco em relação ao desenho técnico é a suposição de que apenas o desenho seja suficiente para a compreensão do detalhamento existente no produto. Assim, muitos desenhos não são acompanhados das respectivas, e extremamente necessárias informações que detalham processos de sua execução e auxiliam a compreender o produto em 360 graus. Ao contrário, muitos desenhos técnicos são vistos quase como ilustrações dos produtos o que não ajuda em nada o processo produtivo e de transmissão de informações dentro de uma ou mais empresas e pessoas envolvidas no processo produtivo. O desenho técnico para a ficha deve ser perfeitamente adequado, sucinto e ao mesmo tempo completo, significando um desafio importante para o profissional de moda.


4. Amostras

Outro erro comum em fichas técnicas de produto de moda de vestuário está no tamanho e na fixação das amostras de tecidos. Normalmente essas amostras não passam de retalhos sem forma ou tamanho definido e, nesses casos, fica quase impossível identificar o material utilizado. Além do tamanho e recorte dessa amostra serem negligenciados, ocorre muitas vezes de serem fixadas na ficha impressa com fitas adesivas ou clipes metálicos. Essas formas de fixação são bastante ineficientes, uma vez que o manuseio da ficha por si só promove o deslocamento e, na maioria das vezes, a perda dessa amostra.

No caso das amostras de aviamentos, a situação é ainda mais ineficiente: botões colados com cola e zíperes costurados a mão no papel da ficha, entre outros exemplos, dificultam o manuseio e o arquivamento do documento e também contribuem para o desperdício de material, uma vez que a amostra do aviamento é uma unidade do material e não um retalho ou sobra.

Encontrar a melhor maneira de adicionar amostras às fichas é fundamental para a eficiência da informação e deve ser uma questão tratada adequadamente na empresa, uma vez que perdas e confusões podem causar grandes prejuízos nessa área.



5. Cabeçalho

Muitas vezes entendido apenas como mais um recurso de reconhecimento visual da empresa - onde a identidade visual, como o logotipo e cores emblemáticas aparecem - o cabeçalho da ficha técnica de produto de moda é muito mais que isso: é o início da ficha, é o recurso que permite localizar as informações iniciais sobre o produto e a empresa ou marca.

Normalmente, o cabeçalho traz informações da coleção da qual o produto faz parte, como nome e ano de desenvolvimento. Também é no cabeçalho onde a empresa está identificada, no caso de a ficha técnica ser encaminhada a algum parceiro terceirizado.

Mas quais são as informações fundamentais então para que o responsável (empresa ou profissional) pelo produto seja encontrado? Normalmente é essa informação que falta ou está incompleta. Em termos empresariais, também, quais informações são fundamentais para que se construa o histórico da empresa? Tudo isso deve constar do cabeçalho que, assim como as demais partes da ficha técnica, não deve responder a um modelo, mas a uma lógica interna da empresa e, por isso, deve ser desenvolvido especificamente para ela!


Se você quer aprender como criar e interpretar fichas técnicas de produtos de moda e evitar repetir os cinco erros mais comuns que profissionais e empresas cometem quando o assunto é Ficha Técnica, inscreva-se na próxima turma do nosso curso exclusivo. Você pode começar hoje mesmo!


INSCREVA-SE NO SITE

  • Facebook
  • download
  • download (1)
  • Pinterest
  • Instagram

PENÉLOPE BIBLIOTECA DE MODA

Rua Rui Pinto, 85 São Paulo SP 05624-100

CNPJ 24.055.203/0001-43

São Paulo - BR - 05624100

e-mail: hello@fashion-for-future.com

A entrega dos produtos é imediata pelo site assim que o pagamento for processado.