top of page

Quem são os new makers do artesanato contemporâneo?

Atualizado: 26 de jun. de 2023

Não importa o lugar, a técnica ou o tipo de produto, o artesanal é, e vem cada vez mais se consolidando, como sinônimo de qualidade, beleza e diferenciação. Aos poucos a indústria da moda está encaminhando para a quebra dos estigmas que envolvem o artesanato, deixando para trás a imagem de que um produto artesanal é antigo, menos trabalhado, de menor valor ou com técnicas ultrapassadas. Por isso, é preciso se atentar a esse movimento que promete crescer cada vez mais e conhecer as características contemporâneas, que estão presentes não só em objetos, mas em novas maneiras de se pensar o consumo, o design e claro, a produção.


Os new makers, aqueles que estão mudando a cena artesanal e ganhando destaque no mercado mundo afora, incorporam o know-how artesanal, que é baseado em uma série de experimentações, estudos, e na mão de obra altamente qualificada, valorizada e remunerada como tal. Como aliadas eles contam com inovações tecnológicas, além de uma nova cultura e novas propostas de se pensar um produto, completamente diferente daqueles provenientes da produção seriada. São os novos tempos modernos, agora sem Charlie Chaplin e sem um trabalhador no chão de fábrica que nem sabe o que está produzindo e menos ainda poder consumir aquilo que produz freneticamente.


Além disso, o artesanato contemporâneo não é mais exclusivamente pensado como um tipo de manufatura de objetos, mas também inclui uma série de habilidades artesanais que são aplicadas em grande variedade de consultorias e outros serviços baseados no saber fazer, muito comuns na alta costura parisiense, por exemplo. É uma maneira muito mais consciente, sustentável e humanista de se pensar. O artesanato, mais do que um passatempo, ou DIY, é um emprego sério (e muito bem remunerado quando valorizado) para milhares de artistas, artesãos e empreendedores. Para termos uma ideia, de acordo com o IBGE 2019, esse mercado movimenta mais de 50 bilhões de reais por ano apenas no Brasil que, como se sabe, nem é o lugar do mundo que mais valoriza todo esse know-how...


Na era da transformação digital, os artesãos são livres para trocas culturais, sem fronteiras geográficas - que já foram essenciais para o consumo dos produtos- , pois agora permite-se que milhares de pessoas conheçam seu trabalho por meio da internet. Aqui, o consumo visual também é valorizado. A comercialização da peça do artesão vai muito além do artefato em si, mas parte da integridade criativa visual, da identidade e da distinção, pois o artesão também é “diretor criativo” de suas estratégias de negócio.


Se antes pensávamos o artesanato como algo local, restrito a um comércio de bairro, os ideais mudaram. O artesão passa a se relacionar de forma distinta com o “senso de lugar”. Seja por conta das relações que existem ali, como uma relação histórica, de tradição (por exemplo, as rendeiras de Veneza, na Itália), pela influência que o ambiente tem no trabalho, ou até por uma questão de sustentabilidade.


Há anos, principalmente na Europa, onde já existe uma tradição artesanal consolidada por fatores como incentivos econômicos e políticos do Estado, exposições mostram trabalhos artesanais que colocam o humano como personagem central da produção. De bicicletas, objetos de design e arquitetura, até roupas produzidas pelos mais diferentes designers-artesãos, o que é exposto ali é sinônimo de inovação, exclusividade e luxo, afinal, são peças muito mais únicas e que acumulam horas e dias de trabalho concentrado. O tempo gasto para a produção, a atenção que o artesão dá àquele objeto, a matéria prima e os processos... tudo é valorizado.


Por mais contraditório que pareça, a competitividade do artesanal também é vista na indústria, onde o artesão pode criar peças conceituais únicas ou trabalhar com um design exclusivo para a produção em lote.


Na primeira edição do evento Homo Faber, que aconteceu em 2018 em Veneza, o italiano Sergio Pedemonte utilizou fibras de carbono para criar bicicletas personalizadas feitas sob medida. O cliente participa de todas as etapas de produção, garantindo que o produto confira conforto e excelência máxima conforme o perfil do consumidor.


Confira uma seleção de trabalhos dos new makers que estão dando o nome do artesanato contemporâneo na indústria:


Igor Balbi, com seus trabalhos únicos e artesanais em vidro. Balbi se baseou na experimentação para criar algo único: uma técnica exclusiva que leva seu nome.

Andrea Salvatori é uma artista visual que utiliza da cerâmica para produzir peças com certo tom de ironia -como ela mesmo descreve -, mas que envolvem diversos objetos encontrados pela Europa. É uma mistura de Pop Art com elementos únicos da artista que resultam em peças divertidas e exclusivas.

Gabriella Gabrini é adepta da técnica de esmaltação em metal. Ela cria obras de arte, objetos de decoração, móveis, cálices e obtém efeitos únicos por meio de seu trabalho. Além disso, é uma ativista que defende o artesanato artístico e os direitos iguais para mulheres.

Angelo Seminara é um diretor criativo e também um cabeleireiro que já produziu diversas headpieces e perucas para desfiles e designers consagrados. Utilizando materiais naturais, cria diversos efeitos e silhuetas que dialogam com diversas propostas.

Rosie Taylor-Davis, designer que consolidou seu trabalho por meio do bordado.


com Bruna Rigato

13 de julho de 2023, quinta-feira, das 15h00 às 16h30


Créditos foto: Chloé, coleção primavera/verão 2022

Como criar uma colaboração estratégica entre o artesanato e a indústria da moda?


Designers nacionais e internacionais têm celebrado cada vez mais técnicas artesanais em suas coleções, colocando o artesanato como uma estratégia de valorização e comunicação para as suas marcas que procuram se diferenciar para os consumidores cada vez mais exigentes e informados.


Por outro lado, o Brasil, com a sua extensão e diversidade cultural, oferece um território rico para colaborações entre o universo do artesanato e a indústria da moda. As possibilidades são inúmeras, mas se não for planejado e aprofundado, caímos em uma relação de estereótipos e parcerias desiguais.


Neste FashionLab, vamos mostrar os caminhos nos quais o artesanato é uma estratégia para os negócios. E assim, fomentam a criatividade e a excelência nos produtos de moda e na sua comunicação, criando um lifestyle de marcas que unem inovação com tradição.


Estratégias internacionais de sucesso que estão redefinindo a indústria contemporânea da moda:

  • Como incluir o artesanato no design de produtos de moda

  • Como definir o artesanato como parte do lifestyle de uma marca de moda

  • Como comunicar o artesanato para valorizar as marcas de moda

Para participar, inscreva-se aqui








639 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page